COLUNAS
 
Fazendo história
 

Por Claudia Maria

Continuamos falando sobre a história de Japeri. Com certeza, para falar deJaperi é necessário falar da Estrada de Ferro que mudou o cenário na região. Para isso, vamos lembrar um pouco da história da ferrovia no Brasil.A história da ferrovia no Brasil inicia-se em 30 de abril de 1854, com a inauguração, por D. Pedro II, do primeiro trecho de linha, a Estrada de Ferro Petrópolis, ligando Porto Mauá à Fragoso, no Rio de Janeiro, com 14 km de extensão.
Mas a chegada da via à Petrópolis, transpondo a Serra do Mar, ocorreu somente em 1886. As dificuldades e desafios para implantar estradas de ferro no Brasil eram muitos. Procurando atrair investidores, o governo implantou um sistema de concessões, que se tornou característico da política de infra-estrutura do período imperial. Entre o final do século XIX e início do século XX os recursos, sobretudo dos britânicos, alavancaram a construção de linhas férreas.
A expansão ferroviária, além de propiciar a entrada de capital estrangeiro no País, tinha também o objetivo de incentivar a economia exportadora. Desta forma, as primeiras linhas interligaram os centros de produção agrícola e de mineração aos portos diretamente, ou vencendo obstáculos à navegação fluvial. Vários planos de viação foram elaborados na tentativa de integrar a malha ferroviária e ordenar a implantação dos novos trechos. Mas, nenhum deles logrou êxito em função da política de concessões estabelecida pelo governo brasileiro.
As ferrovias na República Um dos planos de viação mais importantes foi construído em 1890, logo após a Proclamação da República. Uma comissão foi encarregada de elaborar diretrizes para a continuidade ao programa de implantação da malha ferroviária brasileira, bem como ordenar a já existente. A existência da comissão inverteu a situação vigente, onde cada empresa apresentava a proposta do local que lhe interessava se instalar.
O governo passou a ser o protagonista do processo. Assim, várias linhas “estratégicas” foram implantadas, como as construídas para a defesa das fronteiras e as que completaram as ligações entre o sudeste, o nordeste e o sul. No primeiro quartel do século XX inicia-se uma gradual transferência da malha ferroviária para o controle do governo federal. Mas, as mudanças nas relações de produção e consumo, resultantes da Segunda Guerra Mundial, que levaram as lavouras de café, algodão e fumo entrarem em decadência no Brasil, também acarretaram prejuízos para muitas das linhas férreas que transportavam esses produtos.
Soma-se a esta situação a malha viária com poucos eixos de integração nacional, configurando-se como arquipélagos desconexos. Mesmo assim, o Estado atuou para equipar, estender e recuperar as linhas entre as várias regiões do País, resultado dos diversos planos viários elaborados. Mas, a situação econômica de diversas estradas de ferro controladas pelo governo agravava-se e, em 1952, o Ministro de Estado dos Negócios da Viação e Obras Públicas, Álvaro de Souza Lima propõe, em relatório ao então presidente Getúlio Vargas, “medidas drásticas em relação à melindrosa situação financeira das estradas de ferro, com a constituição, o mais breve possível, da Rêde Ferroviária Federal S. A”.
Ainda em 1957, Getúlio Vargas assina a Lei 3.115, criando a Rede Ferroviária Federal S.A., para administrar as estradas de ferro de propriedade do Governo Federal. Constituiu-se como sociedade de economia mista integrante da administração indireta do Governo Federal, vinculada funcionalmente ao Ministério dos Transportes.
Colaboração para claudiamarias2@hotmail.com.

 

 

Publicidade



 
 
 
 
navegue aqui
colunas
 
Empresa Jornalística Real ZM Notícias Ltda
   
Rua Bahia, 529 - Nova Iguaçu - Cep.: 26282-010
   
FUNDADOR: Manoel Batista de Almeida
   
Diretor Comercial: Marcelo de Souza Almeida
   
Diretora Administrativa: Michelle de Souza Almeida
 
Copyright 2013 ZM Notícias - Todos os direitos reservados